Influência para Kurt Cobain e Jack White, Os Mutantes trazem show especial a Curitiba dia 23 de outubro

Compartilhar

Facebook
WhatsApp
logo-black.png

Apresentação acontece no Teatro Up Experience, no campus da Universidade Positivo

 

A influência do Os Mutantes é inegável e ampla. A abordagem única do grupo ultrapassou fronteiras desde a década de 1960, e até hoje reverbera na música criada mundo afora. A banda foi citada inúmeras vezes como referência musical, por sua inventividade revolucionária, por artistas importantes, como Kurt Cobain (Nirvana), Flea (Red Hot Chilli Peppers), David Byrne, Devendra Banhart e Sean Lennon (filho de John Lennon). O cantor Beck gravou o single “Tropicália”, e a banda britânica The Bees fez uma versão de “A Minha Menina”.

Outro monstro sagrado da música internacional que venera Os Mutantes é Jack White. Tempos atrás, o ex-líder do The White Stripes e hoje artista solo, White mostrou que realmente é apaixonado pela música do grupo brasileiro, ao declarar que não fica mais de um mês sem ouvir um disco do Os Mutantes: “Eles fazem uma coisa global. Não entendo português, mas amo o jeito que cantam. Parece que o Velvet Underground e os Beatles foram tirar férias no Brasil e gravaram vários discos juntos. É uma banda com um som lindo”.

Não ficou por aí. Há poucos dias, Jack White se apresentou no festival Popload, em São Paulo, e o cara aproveitou para ver Sérgio Dias em pessoa. O encontro de gigantes resultou em uma foto no Instagram do músico americano: “Jack ficou incrivelmente honrado em conhecer um dos músicos mais importantes da história da música sul-americana, Sérgio Dias, do grupo brasileiro Os Mutantes”, diz a legenda da publicação.

Show em Curitiba

O público de Curitiba tem uma oportunidade única de ver ao vivo o legado musical brasileiro que mudou o mundo da música. Os Mutantes realiza show no Teatro Up Experience, localizado no campus da Universidade Positivo. Ingressos estão à venda por valores a partir de R$ 70, mais eventuais taxas. A apresentação acontece no dia 23 de outubro, domingo.

Fundado em 1966, o grupo Os Mutantes se tornou um dos mais importantes e influentes nomes da história da música brasileira. Curitiba terá a oportunidade de celebrar clássicos atemporais como “Balada do Louco”, “Bat Macumba” e “Panis et Circensis”, “Tecnicolor”, “Cantor de Mambo” e “Cidadão da Terra”, entre muitos outros. A banda também apresentará faixas do mais recente trabalho de estúdio, ZZYZX.

Além de apresentações pelo Brasil este ano, Os Mutantes segue para uma turnê nos Estados Unidos e Canadá, entre outubro e novembro, com 20 shows confirmados.

A atual turnê do Os Mutantes é uma oportunidade de celebrar um legado de valor incalculável para a música, cantando músicas clássicas e podendo assimilar as músicas do último disco. Curitiba é uma das cidades que poderá presenciar este momento único.

A abertura da apresentação fica por conta do Black Maria, com quase três décadas de uma sólida carreira no cenário da música autoral paranaense, trazendo em seu repertório parcerias musicais com Paulo Leminski, Alice Ruiz e Ivo Rodrigues. Lançaram quatro CDs e um DVD e realizaram shows em diversas cidades e festivais brasileiros e internacionais, em países como Estados Unidos, Espanha, Alemanha, Argentina e Paraguai.

Serviço

Os Mutantes em Curitiba
Abertura: Black Maria
Data: 23 de outubro de 2022 (domingo)
Local: Teatro Up Experience
Endereço: Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 – 2º andar
Classificação etária: 16 anos
Horário: 19h30 (portões) – 21h (show)
Ingressos: a partir de R$ 70, de acordo com o setor
Venda: https://www.diskingressos.com.br/evento/3900/23-10-2022/pr/curitiba/os-mutantes

Histórico

Nome seminal para o rock brasileiro, Os Mutantes surgiu durante a efervescência da segunda metade dos anos 1960, em meio à psicodelia, ao experimentalismo musical, às colagens de sons, às cores e às mudanças de costumes. Contraponto musical e visual à Jovem Guarda, os irmãos Sérgio Dias e Arnaldo Baptista, mais Rita Lee, encontraram Gil e Caetano. E, principalmente, o maestro Rogério Duprat.

 

O grupo foi um “desbunde sonoro e visual” levado às alturas pelos festivais, dando origem à Tropicália. Logo a Europa conheceu a trupe, acrescida inicialmente pelo baterista Ronaldo “Dinho” Leme e depois pelo baixista Arnolpho “Liminha” Lima Filho, que liberou o espírito criativo de Arnaldo para os teclados. Eles eram a bossa nova, o samba, a Carmen Miranda que ninguém esperava. Sempre foram progressivos, lisérgicos, criativos e alegres. Eram, na verdade, brasileiros.

Os Mutantes literalmente viaja em suas músicas, e com eles, os jovens dos turbulentos anos 1970 até hoje — bem como as novas gerações dos futuros séculos. Todos são — somos — Mutantes. O importante é a liberdade que vem da música. Da música d’Os Mutantes.

A banda permaneceu na ativa entre 1966 e 1978, produzindo nove LPs. Passou por formações distintas e retornou em 2006, primeiramente para um show no centro de artes Barbican, em Londres. O sucesso foi tanto que a banda emendou uma série de espetáculos pelos Estados Unidos.

Como novidade, o time conta agora com o reforço do guitarrista Camilo Macedo, conhecido do público que assistiu aos shows de Sérgio Dias Live em Jazz Mania. Completam a banda, já juntos há 20 anos com Sérgio Dias, o baterista Claudio Tchernev, o baixista Vinícius Junqueira, o tecladista Henrique Peters e a cantora Esméria Bulgari.

A nova fase:

Desde o retorno, em 2006, Os Mutantes gravou três álbuns de inéditas. O mais recente é ZZYZX, que saiu pouco antes da pandemia, com 11 faixas, sendo duas em português, propondo romper as barreiras da música feita na Terra. A saída é por ali mesmo, pela ZZYZX, até a Casa dos Deuses na famosa Área 51. As dicas estão na impactante capa do disco, de autoria do ilustrador estadunidense Thomas Sciacca.

Mais uma vez, Os Mutantes rompe as regras da música criando sempre o impensável. ZZYZX está repleto de histórias que ultrapassam a vida na Terra, com reflexões e narrativas sempre acompanhadas de ironia, senso de observação e inquietação, tudo de modo aprofundado e fundamentado.

As letras tratam de tempo e espaço, doçura, sexo interplanetário — hétero e homossexual ou até mesmo transcendental —, drogas em busca da comunhão, escrituras sagradas, rock’n’roll para vencer a mesmice, paz e amor, guerra e solidão, indignação pela falta de sentido na vida do povo brasileiro e até uma bomba atômica sobre Brasília.

Resumo

O que: Os Mutantes

Quando: Domingo, 23 de outubro, às 21h

Onde: Teatro Up Experience (Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300)

Quanto: de R$ 110 à R$ 260

Informações: www.abstratti.com

Foto Jack White/Sergio Dias: David James Swanson
Foto Os Mutantes: Adriana Moraes

Compartilhar

Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário